Oxum e eu. O encontro com o orixá

Há alguns dias, tive a bênção de ler a experiência de um homem, sacerdote de ifá, servidor dos orixás há 45 anos, Bàbàláwo Ifágbaiyín Agboola: Gilmar Oliveira.

10689837_766703010068048_979019052106939480_n

Bàbàláwo Ifágbaiyín Agboola

Uma experiência que tenho certeza não por acaso ter sido compartilhada em sua time line e  perfeita para uma reflexão que já trago faz tempo na intimidade e que desejava escrever.

Com a devida permissão e para publicar suas linhas, abaixo segue a narração.

Uma experiência narrada com a pena da verdade e a tinta das emoções, que me tocaram profundamente.

Ao Bàbàláwo Ifágbaiyín, o meu muito obrigado. Adupé !

 

Oxum e eu…

Na véspera da minha viagem para Nigéria, alguns amigos me perguntaram qual seria a razão da minha ida ao território Yoruba, respondi que a única razão naquele momento era ver Oxum.

Quando cheguei à casa da minha família, na cidade de Lagos, alguns dos meus irmãos, babalawos, me perguntaram qual a razão da minha viagem, e eu respondi,viajei do Brasil para ver Oxum.

Depois dessa conversa com meus irmãos, me foi dado carinhosamente um apelido: “Baba Osun”.

Em princípio achei um pouco diferente a brincadeira, e não entendi a razão do apelido.

Alguns dias se passaram, e viajamos para Osogbo, eu não sabia o que me esperava, mas sempre que alguém me perguntava, qual a razão da minha viagem à Nigéria, eu respondia, ver Osun.

No dia da festa de Oxum, tirei várias fotos, fiz vários filmes, e vivi momentos inesquecíveis, consegui em meio a milhares de pessoas chegar à beira do rio, e lavar a minha cabeça, enquanto fazia meus pedidos para Oxum.

Depois de várias horas, participando das festividades, decidimos voltar, pretendíamos fazer algumas compras em Ibadan.

Na caminhada de volta, saindo do santuário de Oxum, me perdi dos meus companheiros, e nosso grupo foi dividido. Por uma estranha situação, vários homens armados, que faziam a segurança de um político importante, geraram uma certa inquietação em meio às comemorações (eu desconhecia o fato de ter acontecido naquela semana um atentado terrorista na capital), me afastei do grupo sem perceber em meio à confusão.

Caminhando de cabeça baixa, olhando em minha máquina as fotos que já tinha tirado, distraído, fui levado pelo destino ao encontro dela.

Levantei a cabeça, e ela estava diante de mim!

1431298900861

A emoção não impediu, que eu tirasse uma bela sequência de fotos.

Tudo que eu disse, aconteceu como por milagre. Em meio à confusão, tomei o caminho errado, e fui em direção a um lugar privado, me deparando com a razão da minha viagem. Nesse momento a segurança dela se perdeu, eu também estava perdido, mas ela me encontrou.

Sei que em pouco tempo as fotos aqui postadas, vão correr o mundo, e muitos serão aqueles que vão se dizer proprietários das mesmas, as fotos podem ser levadas, mas a emoção que vivi jamais alguém vai me tirar.

Bàbàláwo Ifágbaiyín Agboola.”

 

Diante de tudo isto, fica a reflexão para todos que fomos escolhidos pelos orixás:1431297072339

Como está minha relação com meu orixá? Apenas nas vestes, perfumes?

Que movimentos faço em meu dia a dia que fomentam esta relação?

Eu de fato encontrei meu orixá?

Eu de fato, sinto os orixás?

Qual minha postura em relação à estas forças da natureza?

Que consciência tenho dessas energias em minha vida?

Se ainda não tens estas respostas e as mesmas não interessarem, vale refletir no que estás fazendo, a quem (se) estás louvando e o que precisa mudar.

Consciência é também compromisso e compromisso é vida!

Certamente, ao sintonizarmos com nossa própria essência, portanto com nossos orixás, estaremos ensejando o grande e verdadeiro encontro, rumo à um equilíbrio interior e consequentemente dispondo das ferramentas para viver melhor e com mais qualidade !

Asé !
1431296860905

 

Junho: Desafio, Movimento, Ação e Espiritualidade!

Em minha mesa de trabalho, olho o calendário: 31 de Maio de 2014. Pensei: Lá se foi mais um mês. Pensei no novo que chega, cheio de simbolismos importantes e cativos para mim (e para muitos também).
Inicia-se  Junho. Resolvi jogar para ver o que minhas cartas dizem deste mês. Joguei, li, refleti, a inspiração veio !
Vamos ao jogo?
Primeira Carta: resolvi somar o dia, mês e ano: 1 + 6+ 2+0+1+4 = 14=Raposa
A segunda carta embaralhei e tirei pensando no mês: Montanha
A terceira somei raposa e montanha: 1+4+2+1=8= Caixão
 Um mês de alertas e cuidados pois pessoas e energias com intenções nefastas, perigosas, estarão alvoroçadas. Mês regido pela raposa traz o alerta de que sejam evitadas negociações, contratos, etc sem que tenhamos absoluta certeza com quem estamos negociando. Transação de negócios, empréstimos. A raposa movimenta ensejos de influências espirituais perturbadoras provocadas por situações diversas e que podem nos colocar em sintonia com mentes malignas, opositores espirituais e materiais de longa data. Algozes do passado falam nesse jogo, podendo se fazer presentes de maneira mais ostensiva no caminho. Fala da nossa agudeza mental, perspicácia que poderá ser bem utilizada. A Montanha vem logo à frente,seguida do caixão que tudo finda como terceira carta.  Mês de importância para mudar energias, encarando nossas montanhas de frente.
Como fazer? Aqui algumas sugestões:

  • Exercitarmos padrão mental elevado, através de visualizações, meditações, filmes e leituras que nos tragam bem estar. Padrão mental muda -> energia muda -> sintonia se eleva;
  • Conversar consigo mesmo terna e bondosamente, sem julgamentos, encarando os medos, traumas de frente e, caso seja muito difícil sozinho, buscar um profissional da psicologia para nos auxiliar no processo;
  • Tomar um banho de ervas de limpeza/descarrego;
  • Fazer uma limpeza energética no lar, ambiente de trabalho:  energias de tensões, medos, raiva, criam formas que se imantam ao espaço, podem também ocorrer a permanência de espíritos sofredores, perturbadores que mesmo sem ter intenção atraímos. Um banimento, momento de oração, faça o que tem o hábito, suas práticas ritualísticas, religiosas, etc;
  • Sabe tudo aquilo que não está em uso em sua casa? Aquele objetos quebrados? Dê um destino à eles;
  • A lua minguante é excelente para banimentos, limpezas energéticas, quebras de feitiços, pragas, maldições, aproveite-a esse mês !
Puxei mais uma carta, perguntando o que vinha após o caixão:
Chicote e vassoura.
 É um mês de poder, mas tenhamos cuidado, o poder pode ser nosso ou usado contra nós. Tenhamos boas intenções e controle de nossos impulsos. Energia movida com veemência e pode se tornar agressora, conflitiva. Ao mesmo tempo a energia sexual estará mais ativada (interessante que é uma energia  ligada à Exu, homenageado em Junho também) ou em baixa e podendo ser mexida. Mesmo diante desse clima tenso, há possibilidades de isolar e banir essas energias (vide sugestões). Saber como agir e pensar bem é uma das premissas. Movimento e Ação !
Mês de Junho louvamos Santo Antônio, muitos do “povo de santo” (de religiões de matrizes africanas) como eu que sou do Tambor de Mina e outros de Umbanda e também louvamos Exu no sincretismo.
Vamos falar um pouco sobre Santo Antônio e  Exu ?
 
Santo Antônio
Transcrevi partes da pesquisa muito interessante Santo Antônio de Lisboa (Portugal) e de Borba (Amazonas): entre o rito e o teatro em espaços públicos, apresentada no XI CONGRESSO  LUSO AFRO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS (CONLAB), da UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UFBA,  a respeito de Santo Antônio, padroeiro de Lisboa (PT) e que tem um santuário no Município de Borba, no interior do meu querido Estado Amazonas:
“ santo falecido em Pádua, na Itália, com 36 anos de idade, em 13 de junho de 1231. Um santo de duas pátrias, pois nasceu em Lisboa no ano de 1195, filho de uma família rica desta cidade. Dedicou-se aos estudos bíblicos e desempenhou durante dez anos as funções de cônego regular em Portugal. Pertenceu a ordem dos franciscanos desenvolvendo amizade pessoal com São Francisco de Assis, este com forte sensibilidade para os problemas e realidades dos cristãos pobres.
Com 25 anos de idade partiu para o Marrocos movido pelo intento de cristianização dos muçulmanos, o que lhe conferiu uma vida relativamente curta, porém devotada ao catolicismo. Retornou à Itália muito doente, após ter contraído malária em sua cruzada espiritual, padecendo muitos anos enfermo e tendo os seus últimos dias de vida no convento de Arcella em Pádua. Foi declarado santo menos de um ano decorrido sobre a sua morte, em 30 de maio de 1232 (11 meses e 17 dias após a sua morte). Uma das poucas situações de canonização rapidamente reconhecida pela igreja católica.
 
imagem: salvaterraeeu
 
 
 
 
 

Conhecido no imaginário popular como “santo casamenteiro”, pela habilidade exercida na conciliação de casais, “santo de todas as necessidades”, pela atenção dispensada aos mais necessitados, apresenta-se vestido com hábito franciscano levando no braço a imagem do Menino Jesus e no outro um lírio como sinal de pureza espiritual.

Um dos costumes associados ao santo é a distribuição de pães aos pobres, que teve a sua origem em uma senhora francesa, Luisa Bouffier, de Toulon na França, cuja promessa estaria relacionada à abertura de estabelecimento comercial, ficando a dádiva como ex-voto dedicado ao Santo.
Mas esta não é a única versão sobre a origem da distribuição dos pães como agradecimento a Santo Antônio. Bertelli (2007: 60) faz referência a outra situação, conta que “sua origem remonta ao fato de ter distribuído aos pobres todo o pão do convento em que vivia, deixando em apuros o encarregado de distribuí-lo aos frades, na hora da refeição. O padeiro julgou ter sido vítima de roubo e contou a frei Antônio o ocorrido. Este o mandou verificar melhor o lugar onde havia colocado os pães. Para surpresa de todos, os cestos estavam tão abarrotados que foi possível alimentar os frades e os pobres da região”.
Santo Antônio na cidade santuário de Borba
Conta-se que a imagem de Santo Antônio foi trazida por portugueses para a localidade de Santo Antônio das Cachoeiras, localizada no Alto rio Madeira, entre o rio Jamarí e a primeira cachoeira do Madeira, aldeia fundada em 1724 por missionários jesuítas. Segundo a crença, a imagem do Santo descia o rio Madeira em uma jangada e era encontrada em Borba, na beira do rio em meio à lama. Os donos do santo várias vêzes resgataram a imagem até que em uma vez a imagem “não quis mais sair ficando presa à raiz de uma árvore”, conhecida na região por Samaumeira. Conta-se também que Santo Antônio auxiliou as tropas legalistas na defesa da cidade de Borba frente aos Cabanos, na guerra da Cabanagem, contando para isso com o apoio de indígenas e mestiços, bem como negros residentes na cidade que deram origem as primeiras genealogias de famílias borbenses. Fato lembrado com muito orgulho pela população local, que atribui inclusive como graça do Santo o fato de Borba ter resistido às muitas investidas dos Cabanos e nunca ter sido conquistada pelos mesmos.
 

Município de Borba-AM em que Santo Antônio é padroeiro. Foto: geografiadavida.wordpress.com
Exu
É o mensageiro dos orixás, o que envia as ordens e orientações deles. É o indispensável, sem ele nada se faz.
“Tudo sabe, não há segredos pra ele, tudo ele ouve e tudo ele transmite. E pode quase tudo, pois conhece todas as receitas, todas as fórmulas, todas as magias. Exu trabalha para todos, não faz distinção entre aqueles a quem deve prestar serviço por imposição de seu cargo, o que inclui todas as divindades, mais os antepassados e os humanos. Mas talvez o que o distinga de todos os outros deuses é seu caráter de transformador: Exu é aquele que tem o poder de quebrar a tradição, pôr as regras em questão, romper a norma e promover a mudança. Não é pois de se estranhar que seja considerado perigoso e temido, posto que se trata daquele que é o próprio princípio do movimento, que tudo transforma, que não respeita limites e, assim, tudo o que contraria as normas sociais que regulam o cotidiano passam a ser atributo seu.” 
“Vive na estrada, frequenta as encruzilhadas e guarda as portas das casas.” (PRANDI)
 
À ele recorremos para guardar, proteger, abrir caminhos, levar e trazer nossos pedidos aos orixás. É quem rege a reprodução, a sexualidade, a própria vida !
 
Hoje, muitos  inicio a Trezena de Santo Antônio, que é feita até o dia do santo, 13 de Junho, rezada todos os dias, junto com o “responso de Santo Antônio”  e louvo no sincretismo nesse mês Exu. Pedir à Exu proteção, caminhos abertos e guarda, afastando as más línguas de perto de nós e que a nossa também não seja má língua. Caso queira pedir proteção de Exu, sugiro que procure uma pessoa de confiança, com permissão espiritual e que saiba fazê-lo , tudo será organizado a contento e aí é só receber o axé ! 
Se você quiser fazer o ritual do santo, vou lhe ensinar:
 
 Acenda uma vela branca comum.
Caso deseje arrume um altar, com uma imagem de Santo Antônio, um copo d´água ao lado;
Reze o responso (se quiser pode fazer a trezena também). Faça isso durante 13 dias, rogando que sejam restituídas coisas que lhe tiraram, um objeto perdido ou roubado, algo que lhe foi tomado, etc.
 Faça com coração os treze dias, no décimo terceiro (dia 13 de junho) se quiser ponha cravos vermelhos, rosas vermelhas,  e prometa no próximo ano ( no dia do santo) distribuir o pãozinho de Santo Antônio. No ano seguinte compre um número de pães que quiser, leve à missa no dia 13 de junho para benzer e depois distribua essa bênção. É o simbolismo da fartura e prosperidade. As pessoas que o recebem podem comê-lo ou, como geralmente é feito,  guardar em um pote de farinha, arroz, feijão, etc. E quando chegar no ano seguinte, pode esfarelar e utilizar em defumadores, junto com canela, nos moscada, folha de louro, pedindo fartura e prosperidade.  Defume da porta de entrada para dentro, pedindo que entre fartura, etc.

Responso de Santo Antônio

 
Se milagres desejais,
Recorrei a Santo António;
Vereis fugir o demónio
E as tentações infernais.

Recupera-se o perdido,
Rompe-se a dura prisão,
E no auge do furacão
Cede o mar embravecido.

Pela sua intercessão
Foge a peste, o erro, a morte,
O fraco torna-se forte
E torna-se o enfermo são.

Recupera-se o perdido… (repetir)
Todos os males humanos
Se moderam, se retiram,
Digam-nos aqueles que o viram;
Digam-no os paduanos.

Recupera-se o perdido… (repetir)
Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo
Como era no princípio, agora e sempre
Ámen.

Recupera-se o perdido… (repetir)
V. Rogai por nós bem-aventurado Santo António.
R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Repete-se: Recupera-se o perdido …
Oremos: Deus eterno e omnipotente, Vós quisestes que o Vosso povo encontrasse em Santo António de Lisboa um grande pregador do Evangelho e um intercessor poderoso. Concedei-nos seguir fielmente os princípios da Vida Cristã, para que mereçamos tê-lo como Protector em todas as adversidades.
Por Cristo Nosso Senhor,

Amém

 
Todos os anos eu monto um altar específico para este querido santo ser louvado. Tenho uma imagem de grande valor emocional por ser antiga, que uma amiga me presenteou, benzida na Catedral  de Santo Antônio da cidade de Borba -AM.

foto: Santo Antônio. Tato Cunha

Imagem que ganhei em 2007
Que Santo Antônio nos abençoe sempre e especialmente este mês e que Exu nos dê sempre caminhos abertos para prosperidade. Aos inimigos caminhos fechados para que não nos atinjam !
“ Santo Antônio é de ouro fino, levante sua bandeira vamos trabalhar!”
Salve Santo Antônio !
Laroye Mojubá Exu !


Os Caminhos, cartas 22

Este texto escrevi atendendo ao convite do querido Emanuel J. Santos para traçar algumas linhas sobre a Carta 22 do Petit Lenormand, na Blogagem Coletiva realizada em sua página, que vale muito conhecer pelo tanto que contribui, enriquece, oportuniza aprendizado e reflexões em torno do mundo da cartomancia, do Lenormand.
À mim foi uma especial oportunidade pelo ensejo de aprendizado, reflexão e troca.

Conversas Cartomânticas: Emanuel J. Santos
Caminho sempre nos leva de um lugar para o outro. Esse espaço de transição que, conhecido ou não percorremos em nossas vidas rumo à um objetivo.
Caminhos que se apresentam com pedras, flores, surpresas, pessoas, vivências.
Há em nossa jornada de caminheiros, aquele ou aqueles momentos em que a dúvida surge, ensejando conflitos, questionamentos, e nos encontramos em uma verdadeira encruzilhada, convidando-nos à decisão, ou sentarmos a pensar, rever objetivos e metas. Por vezes não refletimos e deparamo-nos com erosões, essas corrosões naturais ou provocadas por nós mesmos
( e por outros) durante o caminhar, como consequência de atitudes impulsivas, distraídas ou da ação nefastas de mentes em desalinho.
 
Há caminhos que nos conduzem a pantanais perigosos, onde nos deixamos levar por comodismo, fraqueza, vícios, conflitos. 
Outros que nos afastam de pessoas e coisas que amamos, ou as afastam de nós. De perigos, de sonhos e pesadelos.
Há caminhos que servem para a reflexão, o refazimento e depois tomamos novo rumo;
Há caminhos ocultos que percorremos e esses mesmos que pessoas de nosso convívio percorrem, sem que o saibamos.
 
 
 

foto: Búzios-RJ.Tato Cunha

Há o caminho da vitória pessoal, e esse é nosso, intransferível.
Qual via devo seguir ?
Um caminho dá ideia de saída, mas para onde leva ? É preciso traçar um roteiro , organizar-se.
Quando certos de nossa meta, vencemos passo a passo as surpresas que surgem.
 
 

foto: BR-174-AM. Tato Cunha

 
A carta 22 traz esse simbolismo de transição ou estagnação, pois posso andar ou sentar, vislumbrando as diversas opções ao meu redor. É a busca ou dispersão por algo que nos ilude, encanta.
 
 
Tudo depende de nós. Mas como fazer ?
Conhecer o lugar e então definir que rumo tomar.
Onde estão os caminhos que vislumbramos ?. 
Em um jogo, analisar : qual o lugar (contexto) ?
Observar as cartas que indicam o meio onde tudo se apresenta. 
Há uma escolha, um fim ou um começo, um fato, um alguém que toma um rumo. Uma saída ou bloqueio que nos  pede retornar e recomeçar ( a famosa expressão “estou em um beco sem saída”).
 
 
Na Escola Brasileira é uma carta que se apresenta sob influência do Orixá Ogun, rei de Irê, senhor da guerra,  do ferro, que sempre aventurou-se desbravando lugares. Rege todos os caminhos, que domina juntamente  com Exu, regente das encruzilhadas, o encontro de vários caminhos. À Ogun recorremos na guerra, na indecisão, pedindo proteção na caminhada.
 
 
Caminhos que se apresentam novos, caminhos que percorremos, sejam quais forem, diante de perdas e ganhos, nos levando à nossa meta existencial .
Caminhemos portanto!
 
 
 
 

Último dia do ano: fechando ciclos !

Ontem , quase meia noite de hoje, refleti em algo bem curioso:

Último dia do ano regido pelo Arcano 13 – A Morte no tarô: fim de ciclo, término, novos horizontes.

Arcano 13 A Morte
 
Orixá Nanã Buruquê
 e pelo Odu* 13 Ejiologban, Odu de Nanã, Senhora dos Primórdios, Orixá dos pântanos e mangues. Senhora da Morte ! Com influência de seu filho Obaluaê, senhor da doença e da cura.
Odu que traz a mensagem quando nada há mais o que fazer, senão mudar, transformar, renascer!
 
 

 

Obaluaê
 
Elementos do dia: terra e água, que juntas formam a lama.
Dia de todos os deuses da terra e da água, dos seres que esses elementos se manifestam, das Ondinas e dos Gnomos e Duendes.

Quer uma dica?

Escolha um vaso que mais lhe chame a atenção, ou uma planta em sua casa, coloque um pouco de mel, gengibre ou leite e evoque os Elementais da Terra, rogando que eles lhe auxiliem nesse processo de mudança de ciclo, protegendo, promovendo mudanças energéticas em você, seu lar, etc.

Ou você pode ir a um lago, lagoa, mar, cachoeira e evoque a presença dos Elementais da Água, as Ondinas, entregando perfumes, essências, flores, mel, etc e fazendo os mesmos pedidos.

A tradição de louvar a Senhora das Cabeças , Iemanjá é mais que bem vinda !

 
A palavra para hoje é FINALIZAR ! Finalizemos em nossos corações o que não nos é útil, joguemos fora ou doemos aquilo que não tem mais função em nossas casas, escritórios, etc. 
Dia de limpeza, de buscar a espiritualidade.
Hoje é somente  a FÉ VERDADEIRA que moverá energias para vitória logo à frente. Dia de tranquilizar-se, buscar aquilo que nos agrada. De louvar, agradecer por tudo.
Que Nanã nos cubra com sua misericórdia rogando a seu filho Obaluaê nos traga saúde, paz e equilíbrio espiritual, aos que buscarmos verdadeiramente.

*caminho

 
Que aproveitemos bem essa data  para finalizar o que precisa ser finalizado, com as bênçãos de Nanã e seu filho Obaluaê.
Axé ! Axé ! Axé !

Banhos de ervas para o ano novo

Novo ano se aproxima, novo ciclo e quem não quer adentrar  com boas energias  esse período que chega ? Muitos clientes, amigos, colegas costumam perguntar o que fazer para que isso ocorra e eu sempre creio que o pensamento e nossas ações, que são a materialização de nossos pensamentos é quem direcionam –nos para um campo energético harmônico ou perturbador, todavia, há aqueles momentos em que estamos tão perturbados que nem conseguimos orar. Seria, a meu ver, falta de caridade de nossa parte quando alguém nos chega em desarmonia profunda pedindo ajuda e dizemos: – ore que tudo vai melhorar.  Uma mente em desalinho mal consegue se concentrar oras ! Aí é que entram recursos diversos para que, do externo possa acessar nosso interno e harmonizar-nos. Isso pode  ser uma musicoterapia, aromaterapia, etc. O que aqui vou ensinar  é uma das possibilidades e que muitos utilizamos principalmente nesta época, os banhos de ervas. Vale ressaltar que é preciso ter cuidado com qual erva será utilizada, quem vai preparar o banho, em que condições, quem vai utilizá-lo e seu uso, sua finalidade. Pessoas “do santo”  por exemplo, que são os iniciados nas religiões de matrizes africanas ( candomblé, umbanda, tambor de mina, …) não podem utilizar quaisquer ervas pois isso poderá trazer perturbações bem delicadas em suas vidas. Isso é um exemplo.
VALE RESSALTAR QUE ESTES BANHOS SERVEM PARA SEMPRE QUE VOCÊ SENTIR NECESSIDADE, INDEPENDENTE DO PERÍODO DO ANO.

fonte: almanaque mistico

O que aqui vou ensinar todos podem utilizar sem problemas. Um será banho de limpeza e outro de atração.
OBJETIVO: Meu objetivo não é dizer qual banho é o melhor, tampouco ensinar fundamentos de utilização de ervas, mas transmitir receitas de banhos que possam ajudar-nos e contribuir com nosso equilíbrio e entrarmos em um novo ano melhores. Lembre-se que os banhos mudam a energia, mas o cultivo é de nossa responsabilidade ;)
MÉTODO: O como fazer, ensino da forma que faço. Há um ritual, por mexermos com o sagrado que está nas folhas. Eu, como iniciado para o orixá, tenho nas folhas, nas ervas profundo respeito e amor e desta forma há um ritual a ser feito de preparação pessoal, de preparação do banho que iremos utilizar.
DA PREPARAÇÃO PESSOAL:
É imprescindível que, ao preparamos um banho, estejamos concentrados, calmos, com sinceridade no coração. Nada de chegar da rua e já macerar ervas. Tomar um banho, acalmar-se, acender uma vela  branca comum ( se quiser, este é o MEU ritual) e deixar ao lado da bacia em que prepararmos o banho. Evocando em pensamentos as forças da natureza.
No caso das mulheres, estas não deverão preparar, tampouco banhar-se caso estejam menstruadas
 ( lembrando que este é meu ritual e dentro da minha raiz não mexemos com ervas caso a mulher esteja menstruada).
DA PREPARAÇÃO DO BANHO:
Fazer exatamente como ensinado. Utilizar as ervas frescas ou secas.
Deixar descansar um pouco com uma vela acesa ao lado, que é o pedido simbólico às forças espirituais para que manipulem aqueles fluidos a fim de que atinjam o objetivo desejado.

foto: Tato Cunha

BANHO DE LIMPEZA OU DESCARREGO
Guiné ( erva tipi, mucuracá)
Alecrim seco
Ferva o alecrim, e nesse chá macere bastante guiné. Acenda uma vela e deixe descansar pelo menos meia hora.  Coe o banho e reserve, as folhas pode jogar fora no lixo mesmo.
Tome um banho  normal com sabão de coco e depois jogue o descarrego DO PESCOÇO PARA BAIXO. Não enxugue ! Vista uma roupa clara e fique com esse banho pelo menos uma hora no corpo.
Sugestão de fim de ano:  banhar-se até dia 30 de dezembro.
BANHO DE ATRAÇÃO
Cravo da índia
Canela em pau
Erva doce
Folha de louro
Coloque tudo em uma panela, ferva uns cinco minutos, coe. Acenda uma vela e deixe descansar ( o tempo que o banho esfriar um pouco).  As ervas entregue em uma jardim, vaso de plantas. Quando esfriar, coloque um pouco de colônia seiva de alfazema.
Tome um banho normal e depois jogue este banho DA CABEÇA AOS PÉS, mentalizando boas energias e tudo o mais que desejar. Pronto ! Enxugue as partes íntimas e um pouco os cabelos. Deixe secar um pouco o banho e pode vestir-se para aguardar o novo ano !
Espero que, de alguma forma, contribua com um 2014 cheio de axé para todos !
Excelete virada de ano para você !