Arcano 20 O Julgamento

Chega um momento em que nossa mente clama pelo melhor, nossos olhos pela luz, nosso coração pela paz. O momento de revisarmos  as “ gavetas de nosso armário”,  é o instante do incômodo. Quando algo nos move na intimidade, quando algumas coisas perdem o sentido, que, na verdade, estão começando a fazer.  É, e isso dói ! E quem disse que não dói arrancar um siso que precisa ser extirpado, tem jeito ? tem ! arrancá-lo !
Armados de coragem, é hora de agirmos por nós mesmos e,  honestamente, buscarmos identificar o que se encontra nessas “ gavetas”, retirando o que não nos é mais útil, renovando-nos então no libertador  desapego . O processo não é mágico, mas uma vivência que requer tempo, exercício, verdade e auto amor.
Sair do estágio do “ eu não preciso mudar, tudo está ótimo”, despertando para uma realidade muitas vezes desafiadora, mas é NOSSA ! E como é bom apropriarmo-nos de nós mesmos, sem  ilusões, nem dependências psicológicas.  E surge o alívio, e começamos a perceber os momentos de paz interior, que surge como consequência dessa organização, avaliação de nós próprios.
O anjo que toca a trombeta, surgindo em meio às nuvens, é a convocação do nosso eu interno, que clama por renovar-se e nós, em um movimento inerente, curvamo-nos perante o sagrado que jaz em nós dizendo um sim para um novo olhar. 
 
Há uma mensagem que expressa bem esse aspecto de avaliar e reavaliarmo-nos para melhorar. Como disse no início: Chega um momento em que nosso coração clama pelo melhor, nossos olhos pela luz, nossa mente pela paz. Não importa o quanto, mas que seja vivido, do nosso jeito. 
Hora de vivê-lo !

 

Arcano 20 O Julgamento, Ancient Italian Tarot

Questão de Escolha 

Na faixa mental em que você atua, é natural que receba as mensagens com o mesmo teor vibratório como as envia.
Quem aspira à elevação moral e espiritual, sintoniza com vibrações superiores, que se fazem estímulos vigorosos, produzindo harmonia interior e renovação.
Da montanha, a visão da paisagem é mais ampla e o ar mais saudável.
Quem se demora no pessimismo, acalentando insucessos, assimila ondas inferiores, que carreiam miasmas pestilenciais, fixando-os nos painéis da emoção, que geram desequilíbrios e enfemidades.
No vale, a faixa de liberdade é menor e o campo de ação mais abafado.
Entregando-se a Deus – ” a onda de comprimento nulo e de frequência infinita” – você se transfere psiquicamente, onde se realiza plenamente.
Atormentando-se com dúvidas e paixões dissolventes, onde as distonias desalentam ou aceleram o ser, você tomba, mentalmente, nas demoradas faixas das sensações inferiores, nas quais se desarticula.
O céu está ao seu alcance.
O inferno encontra-se a um passo de você.
É questão de escolha…
Quando você sorri com alegria, os seus equipamentos se descontraem.
Quando você se encoleriza, todos os seus implementos recebem altas cargas vibratórias destrutivas.
A felicidade começa no ato de desejá-la.
A desdita se inicia no instante em que você lhe dá guarida.
Utilize bem o seu tempo, tudo fazendo para que o seu momento seguinte seja-lhe sempre mais promissor e agradável.
O que não alcance agora, insistindo, conseguirá depois.
Eleja, portanto, os ideais de engrandecimento humano e não se detenha nunca.

Autor: Marco Prisco
Psicografia de Divaldo Franco. Livro: Ementário Espírita


Para meditar:









Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>